Você está aqui: Página Inicial / Comunicação / Notícias / Resumo dos Pronunciamentos 04/02/2020

Resumo dos Pronunciamentos 04/02/2020

por Camila Reis publicado 05/02/2020 14h03, última modificação 05/02/2020 14h03

Resumo dos pronunciamentos

Sessão Ordinária do dia 04/02/2020

 

Diogo Pereira Lube (PDT)

Registrou e elogiou a participação do Poder Público e iniciativa privada no sentido de reerguer a cidade após a enchente, que se estima que seja a maior da história da cidade. Disse que tem mais projetos do Poder Executivo vindo para a Casa que são muito bem vindos e que poderiam, inclusive ser ampliados, como os de isenção de impostos. Os vereadores estavam todos ajudando de alguma forma, seja no meio do barro, seja articulando ações, e não é momento de disputa política nem de publicidade. Reforçou a importância da solidariedade e dos diversos eventos beneficentes, organizados por bares e outros grupos.  Lembrou a população sobre a Campanha de vacinação contra Hepatite nos postos de saúde do município para quem teve contato com a lama e água, além dos cuidados que devem ter com leptospirose e outros males. Fez indicação de que se realizem gincanas estudantis, nos moldes de seus tempos de estudante, para os alunos arrecadarem donativos. Sugeriu campanha para reaver o acervo da Casa da Memória (Higner, em aparte, reforçou a necessidade de que os novos acervos sejam acomodados em outros locais, onde não haja risco de sucumbirem às próximas enchentes que virão). Lembrou que as tragédias acontecem porque não há fiscalização e prevenção e que hoje, às 18h, acontece em Pacotuba assembleia convocada pela Defensoria Pública para avaliar as demandas pós enchente. “É hora de pensar em políticas preventivas”.

 

Renata Sabra  Baião Fiório Nascimento (PSD)

Disse que o recesso legislativo não significa férias para o vereador, mas apenas que não acontecem sessões. Seu gabinete registrou mais de 50 indicações nesse período, todas oriundas de visitas in loco. Protocolou pedido de informações sobre caminhão adquirido pelo município por R$809.000,00 e que não é visto funcionando, enquanto outras empresas estão fazendo as operações tapa buracos. Elogiou a Dataci não deixou o município “órfão” durante a catástrofe. O 156 funcionou e os computadores também. Outras iniciativas que pleiteou no período: pediu a suspensão das despesas do carnaval e foi atendida,  encaminhou ofício ao MP Federal pedindo para fiscalizar junto a ANEEL as barragens, de forma a acalmar a população ribeirinha, solicitou a Agersa que analise a possibilidade de usar os recursos da outorga da água para subsidiar a isenção de tarifas, solicitou ao Governo no Estado mutirão de identidade, da Polícia Técnica, para atender a população que perdeu os documentos e articulou oficio da presidência da Câmara sobre concessão dos móveis para outras secretarias e órgãos que perderam os seus. Agradeceu a gestão da Casa pelos computadores disponibilizados para os vereadores no plenário e por ter cedido o plenarinho para a Caixa Econômica. Deu as boas vindas aos novos estagiários da Câmara. Falou sobre as competências de cada Poder: Que o prefeito fez o que lhe cabia ao longo dessa crise vivida e, como vereadora, pode apoiar e fiscalizar. Cobrou aos gestores do Rotativo que o aplicativo disponibilize cópia do contrato de concessão do serviço.

Agradeceu ao cidadão que prestou solidariedade, que tirou de si mesmo para ajudar aos conterrâneos. Quis deixar registrado que é Dia Mundial de Combate ao Câncer, mal que atinge todas as idades, classes sociais e religiões. Pediu à população que cuide de sua alimentação e mantenha hábitos saudáveis para evitar essa e outras doenças.

 

Delandi Pereira Macedo (PSC)

Disse que este momento é de muita reflexão, mas também de muito otimismo. Quer acreditar que 2020 será um ano de muitas conquistas para o povo cachoeirense. Agradeceu a presidência pelos notebooks no plenário. Leu matéria no site G1 que dizia que após 2 anos de alta, a indústria cai, puxada pela tragédia da Vale. Refletiu sobre situação atual do ES, depois de Mariana e Brumadinho, reforçando a importância da fiscalização e do acompanhamento das barragens do nosso estado. Pediu a sua equipe que fizesse um levantamento de todas as entidades envolvidas com as ações de solidariedade pós enchentes, para que possam ser homenageadas na Câmara, na próxima data que seja possível. A ideia é que haja um “Dia da Solidariedade”. Queixou-se da falta de humanidade dos que se manifestam nas redes sociais dizendo que “não é mais que obrigação” dos políticos e demais autoridades os trabalhos que realizaram. Não considera errado publicar o que se faz, porque quando não se publica, as pessoas reclamam que “não está fazendo nada”. Agradeceu o empenho da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros.

 

Antônio Geraldo de Almeida Costa (PP)

Lembrou que recesso não é sinônimo de férias. Vereador não tira férias. Às vésperas do pleito eleitoral, pediu aos eleitores que pensem bem nas razões para votar nos candidatos, que avaliem o trabalho de cada um. Registrou que a diferença entre ele e o próximo suplente na última eleição foi de apenas 1 voto, por isso é tão importante a participação de todos. Sobre as enchentes, ficou muito triste com o erro feio da Defesa Civil, de ter dito na noite anterior que todos poderiam dormir tranquilos pois não havia riscos. Elogiou a atuação do órgão, mas reforçou a responsabilidade que precisam ter sobre sua fala. Queixou-se também da falta de barcos para resgate.

Denunciou que o galpão que recebe os resíduos recicláveis do município não está funcionando desde março de 2019, e a praça do BNH de cima, cuja obra começou em outubro de 2018, está ficando muito bonita, mas já tem mais de 1 ano. “Dinheiro público tem que ter planejamento, principalmente quando está terceirizado”. A academia da praça seria a segunda de Cachoeiro e até hoje não foi instalada porque a praça ainda não está pronta. Muitas outras já estão funcionando na cidade. Afirmou que precisam fiscalizar melhor o serviço do Rotativo e repensar questões como a permanência máxima de duas horas, as vagas em bairros e os locais de carga e descarga para o comércio.

 

Bras Zagotto (SD)

Lamentou as perdas do ES e MG com toda a chuva e enchentes. Ficou triste com todas as perdas que viu, mas elogiou a atuação da prefeitura e da população cachoeirense, além de empresas privadas como Magban, Concresul e Corpus. Disse que, graças a esses esforços, a cidade já está muito mais limpa do que Iconha, por exemplo, que recebeu as águas duas semanas antes. Relatou que ficou 8 dias nas ruas, atuando como voluntário até tarde da noite, e viu a solidariedade dos carros que paravam a todo momento com lanches e marmitex.

 

Alexon Soares Cipriano (PROS)

Parabenizou ao Ten. Cel. Fabrício da Silva Martins, cachoeirense, empossado hoje como comandante do 9º Batalhão da Polícia Militar, que atende Cachoeiro, Castelo e Vargem Alta. Disse que é um orgulho para o cachoeirense, que é bairrista. Com relação às enchentes, à cheia do Rio Itapemirim, agradeceu a cada um dos colegas vereadores pelo empenho em ajudar, mas quer deixar bem claro que ficou muito triste com as perguntas maliciosas nas redes sociais de “onde está o (s) vereador (es)?” Registrou que em nenhum momento registrou ou publicou imagem alguma do que fez ou deixou de fazer, porque a bíblia fala que o que a mão direita faz, nem a esquerda deve saber. Pessoas perderam roupas, documentos, empregos. Solicitou e recebeu diversas doações, com a ajuda dos assessores e servidores da Câmara, e em nenhum momento isso foi exposto ou se faltou com respeito aos que precisam de ajuda. As doações foram encaminhadas através de Igrejas para que não houvesse nenhum tipo de promoção de imagem. Espera que este ano seja tranquilo na Câmara, mesmo com as eleições à vista, para que continue trabalhando para consolidar a Câmara com o destaque que merece no sul do estado. Participou, junto com Renata Fiório, de reunião do MP em Alegre, com presença de promotores de Cachoeiro e Alegre e diversas outras autoridades, além de representantes da empresa que administra as barragens. Moradores de Pacotuba relataram que crianças não conseguem dormir porque “o rio pode encher”. Os danos materiais são recuperáveis, mas os psicológicos são irreversíveis. E não há informações comprovadas sobre os riscos reais de rompimento. Falta interatividade com a comunidade na qual a barragem está inserida. A empresa informou que os poucos funcionários que ficam no local são só para manutenção e que o monitoramento acontece por vídeo a partir de Florianópolis-SC. Mesmo com a ressalva de que o volume de chuvas foi sem precedentes, foi atípica, não justifica a falta de comunicação com as comunidades. A empresa não se deu ao trabalho de enviar sequer uma informação oficial à imprensa e órgãos locais sobre o possível rompimento da barragem. Reafirmou o compromisso de acompanhar de perto as investigações do Ministério Público Federal sobre a atuação da empresa.

 

 

Higner Mansur (PSB)

Leu crônica de sua própria autoria, publicada em veículos de comunicação da cidade, sobre as cheias do Rio Itapemirim e todos os alertas que foram dados pela natureza e pelos especialistas.

 

Edison Valentim Fassarela (PV)

Relatou verbas anunciadas pelo Governo do Estado para ajuda aos atingidos. Disse também que fez um trabalho de conversar com os lojistas antes que a água chegasse e conseguiram evitar que se perdesse tudo. Lojistas e moradores reclamaram que foram acordados cedo pelos carros da Defesa Civil, ação que nunca viu acontecer em Cachoeiro. Os que ouviram, puderam retirar a maior parte de suas mercadorias e equipamentos e o prejuízo foi bem menor. Ficou feliz que nenhuma Upa ou Hospital foi atingido, além do depósito do HECI.

 

Dario Silveira Filho (PSDB)

Relatou que sua residência foi atingida pela água, e de mais três assessores de seu gabinete também, e mesmo assim estavam ajudando aos demais atingidos. Agradeceu a todos que foram solidários. Relatou a tristeza ao ver pessoas “fazendo política” com a desgraça alheia e cobrando fotos para provar que o “vereador do bairro” estava fazendo algo.

 

Alexandre Bastos Rodrigues (PSB)

Relatou que a família reside na Rua Moreira há muitos anos, porque sua casa foi construída pelos avós, e foi a primeira vez que foi atingida pela água. Agradeceu a toda a ajuda recebida e reforçou que seu gabinete continua à disposição para orientar todos que precisarem para conseguir auxílio e também para fiscalizar a aplicação dos recursos. Pediu aos comerciantes que não desistam de reabrir as portas.

 

Allan Albert Lourenço Ferreira (PRB)

Reforçou que o vereador tem suas atribuições próprias e que muitas das cobranças recebidas nas redes sociais não fazem sentido, porque são cobrados por ações que não estão em seu poder realizar. Relatou que ficou até as 4h da manhã rodando a cidade com barco a motor, ajudando no resgate de moradores, porque os bombeiros não davam conta. Na localidade de Capivara, em Monte Líbano, que tem cerca de 20 famílias, todos estavam ilhados. Os bombeiros foram até o local mas não puderam fazer nada por falta de equipamentos. Não tinham nenhum barco sequer. O que estava sendo utilizado era emprestado da Defesa Civil. Queixou-se da falta de atendimento de subsecretários e gerentes. Enfatizou que, quando um vereador liga, é por conta de uma demanda de cidadãos. Eles não atenderam nem retornaram suas ligações. Denunciou que o bairro São Lucas está um canteiro de obras em aberto e a população está sem esperanças de que serão concluídas.

 

Wallace Marvila Fernandes (PP)

Falou sobre Projeto de Lei 04/2020, de sua autoria, que INSTITUI A PRIORIDADE DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS DERMATOLÓGICAS E OFTAMOLÓGICAS PARA PESSOAS COM ACROMATOSE. Disse que foi motivado pelo pedido das famílias. Sobre o rotativo, reforçou a reivindicação de Antônio Geraldo sobre o tempo máximo de duas horas, que causa dificuldades principalmente para deficientes físicos que estejam em atendimento médico, e encaminhou indicação solicitando a gratuidade para estes. Parabenizou o Ten. Cel. Fabrício da Silva Martins pela posse no 9º Batalhão da PM. Disse que já o conhece há bastante tempo e que é uma pessoa bastante acessível, o que vai contribuir no atendimento às demandas da comunidade. Relatou também sua visão sobre a enchente, na qual o comércio de sua família foi atingido, algo que nunca tinha acontecido, sinal de que foi muito pior para quem estava mais próximo ao rio. Agradeceu e parabenizou aos voluntários e cidadãos que foram solidários e ao apoio dos agentes e servidores públicos à população. Pediu que, os que ficam em redes sociais criticando, critiquem, mas ajudem. Disse que a cidade vai se reerguer graças à capacidade das pessoas de trabalhar e recomeçar com muita fé.

 

Rodrigo Sandi (PTN)

Lamentou a situação do sul do estado. Disse que era uma tremenda falta de respeito as críticas nas redes sociais a políticos e vereadores, principalmente ataques direcionados a “direita” ou “esquerda”. Que o momento não era de críticas, nem disputas políticas, mas de ajuda a quem mais estava precisando. Pediu a Deus que dê forças aos comerciantes para recomeçar, muitos deles seus amigos pessoais, aos comerciários que não sabem se terão seus empregos de volta e aos governantes para administrar essa crise.